Gostou? Incentive o autor!

Plano VGBL é porta de entrada na previdência

 

Fundos dominam a indústria, mas especialistas ressaltam que é preciso cuidado na escolha da tributação.

Fiel. Sérgio Dortas tem um VGBL há 15 anos: “Tenho três filhos, todos com VGBL. E meus seis netos logo terão seus planos também” – Adriana Lorete / Agência O Globo

Concentrando mais de 90% de uma indústria cujo patrimônio já chega a R$ 775,6 bilhões, o plano Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL) é a porta de entrada dos brasileiros que decidem poupar por conta própria para a aposentadoria. Apesar de não contar com o benefício das deduções tributárias como o PGBL, o VGBL atende a certos perfis de investidores e também ajuda no planejamento tributário.

Para quem é indicado VGBL

Em geral, o VGBL é indicado para quem é isento de Imposto de Renda (IR) ou faz sua declaração anual pelo modelo simplificado. Dessa forma, costuma ser a escolha de jovens profissionais ou pessoas sem dependentes. Isso porque, diferentemente do PGBL, os aportes realizados no VGBL não podem ser descontados da renda sobre a qual incidirá o IR. Por outro lado, no momento de resgatar os recursos acumulados, o IR incide apenas sobre o dinheiro que rendeu, não sobre a contribuições dos participantes.

— No fundo, o VGBL acaba sendo muito parecido com um fundo de investimento tradicional, no qual também não se pode deduzir do IR, que incide sobre os rendimentos — aponta Luis Felipe Maciel, diretor regional da Mongeral Aegon.

Mas o VGBL também tem benefícios tributários que não são encontrados nos fundos de investimento. Assim como o PGBL, ele não sofre a mordida do IR semestral, o chamado “come-cotas”, que captura 15% do rendimento de fundos de investimento tradicionais em maio e novembro. A longo prazo, segundo especialistas, a diferença de rentabilidade acumulada pode ser significativa.

Além disso, o VGBL é uma ferramenta para aqueles que já esgotaram o diferimento tributário proporcionado pelo PGBL. Afinal, só é possível usar na declaração do IR investimentos em PGBL que somem no máximo 12% da renda bruta anual do contribuinte.

— Depois de atingir esse limite, o cliente que quiser poupar mais para a velhice pode abrir um fundo VGBL, para continuar contribuindo — observa Flávio Lemos, sócio da Trader Brasil Investimentos.

Depois de optar entre VGBL ou PGBL, exige-se do participante uma outra escolha, de consequência tributária: a qual tabela de cobrança de impostos sua previdência privada será submetida? Elas são duas, a regressiva e a progressiva.

Você não está satisfeito com sua previdência? Clique aqui.

INDÚSTRIA EM EXPANSÃO

De acordo com especialistas, a tabela regressiva é ideal para quem está disposto a investir por muito tempo. Isso porque a alíquota cai gradualmente ao longo do tempo em que o dinheiro está aplicado. Por essa tabela, quem resgata em menos de dois anos, por exemplo, paga 35%, alíquota que chega a ser superior aos 27,5% sobre a renda cobrados no topo da tabela de IR. Quem fica mais de dez anos, no entanto, paga imposto de apenas 10%.

Já a tabela progressiva segue as alíquotas de IR que valem para os salários e é indicada àqueles que podem ter de sacar os recursos a curto prazo ou que sabem que terão no futuro um benefício mensal de valor baixo.

— A questão da tabela de tributação, progressiva ou regressiva, tem de ser decidida visando ao prazo. Como regra geral, se você vai deixar o dinheiro aplicado por mais de sete anos e meio, oito anos, a regressiva é muito vantajosa — explica Marcelo Wagner, superintendente de Investimentos da Brasilprev. — Já a tabela progressiva é indicada para quem tiver dúvidas sobre a necessidade de resgatar o investimento a curto prazo ou se, lá na frente, a pessoa for resgatar valores sobre os quais incidam alíquotas baixas de Imposto de Renda.

Na previdência privada, o cliente tem total liberdade para transferir seus recursos para outro plano sem pagar taxas ou impostos, sendo também possível migrar da tabela progressiva para a regressiva. O contrário, no entanto, é vedado. Por isso, a escolha da tabela deve ser feita de forma consciente, alertam os especialistas. Mas a escolha do tipo de plano tem consequências ainda mais perenes: não é permitido mudar de VGBL para PGBL, nem vice-versa.

Desproporcionalmente maiores que os PGBL, são os planos VGBL que têm puxado o crescimento da indústria de previdência privada. Segundo números da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), só este ano os fundos de previdência captaram R$ 13,5 bilhões junto a seus participantes. A previdência privada já corresponde a 17,3% de todo o patrimônio aplicado em fundos de investimentos no país. O crescimento tem sido puxado pelas discussões sobre a reforma da Previdência e pelo fato de o segmento ainda ser considerado jovem, havendo ocorrência limitada de saques aos fundos hoje.

MUDANÇA DE MENTALIDADE

E os planos VGBL têm aumentado sua fatia na indústria. Entre janeiro e maio, de acordo com a Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi), os VGBL atraíram 91,3% dos prêmios e contribuições da indústria, contra 87,6% em 2013.

Uma mudança geracional no que diz respeito à educação financeira também estimula o apetite pela previdência.

— Meu pai se arrepende de não ter feito um plano de previdência. Se ele tivesse feito lá atrás, hoje teria acesso a uma segunda renda. Por isso, não quis perder tempo e fiz meu plano logo após sair da faculdade — conta a dentista Ana Luiza Rega, de 26 anos. — Sou autônoma, então essa é uma forma de investimento que encontrei para ter uma garantia no futuro.

Entenda o glossário da Previdência

Ela destina, hoje, 10% de sua renda mensal a um fundo VGBL. Quando abriu o fundo, sequer declarava IR, o que justificou sua escolha pelo VGBL.

E quem foi previdente lá atrás transmite com maior facilidade o planejamento às próximas gerações.

— As minhas duas grandes seguranças são os investimentos em imóveis e em VGBL, mas só neste último eu tenho liquidez, podendo resgatar o dinheiro a qualquer momento. Tenho três filhos, todos com VGBL. E meus seis netos logo terão seus planos também — garante Sérgio Dortas, de 67 anos, que tem um VGBL há 15.

Como escolher sua previdência privada?

Quer que eu analise seu fundo ou recomende outros? Entre em contato conosco.

Um abraço,

flavioFlavio Lemos

www.investimentos.traderbrasil.com

O globo 27-09-2018

Leia mais: https://oglobo.globo.com/economia/plano-vgbl-porta-de-entrada-na-previdencia-23105260#ixzz5SJPR0UdG stest

Summary
Description
Apesar de não contar com o benefício das deduções tributárias como o PGBL, o VGBL atende a certos perfis de investidores e também ajuda no planejamento tributário.
Flávio Lemos
Trader Brasil
O Globo