Gostou? Incentive o autor!

Como escolher um bom fundo de investimento adequado ao seu perfil?

Prezado Leitor,

O mercado de fundos de investimentos é como a prateleira de um supermercado: tem produto para todos os gostos e riscos.

A principal vantagem de investir em fundos é contar com uma gestão profissional das suas economias, mas se você não aplicar no fundo certo, pode perder bastante dinheiro.

Taxas

Para tomar decisões estratégicas por você, o gestor do fundo cobra uma taxa de administração, o que pode reduzir sua rentabilidade em comparação a outros investimentos. Alguns também cobram taxa de performance e taxas de entrada e saída. Mas se ele for realmente bom, pode valer a pena pagá-lo. O importante é a relação ganha-ganha. Por isso é importante verificar o histórico do fundo e do gestor, mas lembre-se rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura.

Além disso, os fundos descontam Imposto de Renda no resgate ou semestralmente, no caso dos fundos de renda fixa e multimercados.

Garantia

Os fundos não contam com garantia do FGC.

Por tudo isso, não dá para dar bobeira ao decidir investir em fundos. Mesmo com um gestor que tome as decisões por você, é essencial escolher uma aplicação que atenda seus objetivos.

Comparando Fundos

Além de rentabilidade, você deve comparar a volatilidade, por isso existe um índice chamado Sharpe, que quanto maior melhor. Ou seja se eu tenho, por exemplo, o CDI como índice comparativo de referência (benchmark) de renda fixa, então para superá-lo eu preciso correr mais risco do que a volatilidade do próprio CDI. E o Índice Sharpe vai me dizer justamente isso: quanto de retorno eu tive pelo risco adicional que eu corri, considerando como risco, a volatilidade.

comparando rentabilidade e volatilidade

No caso acima os pontos vermelho e o verde representam fundos com o mesmo risco, mas a rentabilidade do verde é claramente maior que o vermelho. Logo o fundo verde é melhor que o vermelho.O investidor sempre irá escolher dado o mesmo risco, aquele que traz o maior retorno, e na tabela vemos que o fundo vermelho  tem índice de sharpe menor que o verde neste período de observação.

Se atente para a Carência no resgate!

A carência nada mais é do que o prazo que se estende entre a solicitação do resgate do capital investido e o dia em que, de fato, o investidor terá esse dinheiro novamente disponível em sua conta bancária.

Muitos clientes se esquecem deste “detalhe” e na hora que precisam de dinheiro por motivos urgentes e importantes como nascimento do filho, uma cirurgia não planejada, se esquecem que determinados gestores pedem carência e você quando resolveu aplicar em um fundo, você efetivamente concordou com os termos e a política de investimento do fundo e aí vai ter de esperar a tal carência.

Dessa forma, após a solicitação do resgate em um fundo que apresenta uma carência de 30 dias, por exemplo, o investidor deve ter ciência de que deverá esperar por os mesmos 30 dias até que se tenha novamente esse dinheiro disponível em sua conta bancária

Por isso verifique isso antes de aplicar.

Tipos de fundos e seus riscos

Os fundos são divididos em tipos pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), de acordo com a composição de sua carteira. Os nomes dos fundos devem indicar sua classificação, para facilitar a identificação da política de investimento pelo investidor.

No Brasil, é possível aplicar em fundos de curto prazo, referenciados, renda fixa, multimercados, ações, cambiais ou de dívida externa. O nome do fundo sempre fará menção à classe em que ele se encontra – mesmo que haja também um nome fantasia. Abaixo veja como funcionam esses produtos – e para quem cada um é indicado:


1. Curto Prazo
Os fundos de curto prazo buscam acompanhar as variações das taxas de juros, investindo exclusivamente em títulos públicos federais prefixados ou privados de baixo risco de crédito. As restrições para a compra de ativos com prazo de vencimento longo fazem com que a carteira fique menos sujeita à variações na negociação dos títulos. Em geral, a rentabilidade destes fundos está atrelada à Selic ou à taxa média de empréstimos feitos entre os bancos, conhecida como CDI (Certificado de Depósito Interbancário). Com um prazo máximo de resgate dos papéis de 375 dias e prazo médio de carteira de no mínimo 60 dias, os fundos de curto prazo são considerados investimentos conservadores e de baixíssimo risco.
Indicação: Como é fácil converter os títulos destes fundos em dinheiro, quem opta por esta aplicação quer mesclar a garantia de resgate a curto prazo com a certeza de não se expor aos riscos e oscilações do mercado. Ainda que a margem de rentabilidade seja pequena, o produto é interessante para quem tem planos que devem se concretizar em menos de 12 meses, como o pagamento das últimas parcelas de um carro ou de um apartamento. É importante lembrar que investimentos de prazo mais curto pagam mais impostos. Quem deixar dinheiro aplicado em um fundo por menos de um mês terá de pagar IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) – a alíquota varia de acordo com o número de dias. Além disso, o Imposto de Renda sobre aplicações em fundos alcança 22,5% do ganho obtido para aplicações de até 180 dias e 20% para investimentos de 181 a 360 dias. Por esse motivo,  recomendamos que o investidor prefira a caderneta de poupança a um fundo de curto prazo sempre que planejar deixar o dinheiro aplicado por menos de 90 dias.

2. Referenciados
Apontam em seu nome o indicador de desempenhos que a carteira acompanha. Em outras palavras, no mínimo 95% dos ativos devem seguir a variação de um parâmetro específico, o chamado benchmark. O instrumento é usado para comparar a rentabilidade entre diferentes investimentos. Fundos referenciados são considerados seguros por terem um piso de 80% dos investimentos em títulos públicos federais ou em títulos de renda fixa privados na categoria de baixo risco de crédito. É nesta categoria que se enquadram os famosos referenciados DI, que recebem o nome por acompanharem as mudanças das taxas de juros do CDI. Por aplicarem recursos em títulos pós-fixados, isto é, com preço sujeito à flutuação do mercado, os fundos DI registram valorização em momentos de alta nas taxas de juros domésticos.
Indicação: A alta liquidez de um fundo DI vale a pena para todos os perfis de investidor por ter a função de proteger o capital. Assim, os agressivos podem reservar uma fatia mais gorda dos seus recursos em aplicações de renda variável, mas ainda assim destinar 50% do capital em DI. Para os conservadores, a porcentagem investida em fundos referenciados pode chegar a 90%. Os moderados podem optar pelo meio do caminho, destinando entre 60 e 70% do seu patrimônio à aplicação. Vale ressaltar que eventuais aumentos na taxa de juros forjam um cenário propício para ganhos financeiros com os fundos DI.


3. Renda Fixa
Investem no mínimo 80% dos seus recursos em ativos de renda fixa prefixados (que rendem uma taxa de juros previamente acordada), ou pós-fixados. Como não precisam acompanhar o desempenho das taxas de juros, estes fundos buscam retornos adicionais em cenários de recuo nas taxas de juros. Isso acontece porque existe a possibilidade de investimento de parte ou mesmo da totalidade do patrimônio em títulos prefixados, ou seja, que irão render determinada taxa independente das oscilações do mercado.
Indicação: Para quem procura a manutenção do poder de compra em reais, os fundos de renda fixa podem ser uma boa alternativa, já que procuram superar a inflação a longo prazo. Dividem a preferência dos investidores brasileiros com os referenciados DI, e assim como estes, podem constituir boa parte do portfólio de investimentos de quem aplica. A porcentagem de recursos investida neste tipo de fundo varia em conformidade com o perfil do cliente. Conservadores podem aplicar a maior parte do patrimônio nos fundos de renda fixa, moderados entre 60 e 70%, e agressivos de 40 a 50%. A diferença é que, ao contrário dos fundos DI, estes fundos tendem a apresentar valorização em situações de diminuição da taxa de juros.

4. Multimercados
Alocam seus recursos em diversas formas de ativos, combinando investimentos em renda fixa, câmbio, ações e derivativos (operações em que o valor das transações deriva do comportamento futuro de outros mercados, como o de ações ou de juros). O risco neste tipo de investimento varia de médio a alto: depende da natureza dos papéis que compõem a carteira e da estratégia escolhida pelos gestores para a administração do patrimônio. A procura pelas melhores oportunidades para diversificar os ativos do fundo se assenta sobre o talento e experiência desses profissionais, que devem combinar a aplicação do percentual ideal dos recursos em cada um dos mercados e investir o dinheiro no momento mais propício.
Indicação: Para o investidor com horizonte de resgate de médio a longo prazo, o fundo multimercado é uma alternativa interessante e pode funcionar como um bom instrumento de poupança, independente do perfil. Se por um lado as políticas destes fundos pressupõem exposição ao risco, por outro as possibilidades de aumentar significativamente a renda são maiores. Isso porque um multimercado congrega a possibilidade de ganhar mais dinheiro com ações, por exemplo, à segurança de não ficar exclusivamente à mercê do mercado (devido à presença de títulos que pagam juros na carteira). O conservador pode destinar 5% do seu patrimônio à aplicação, o moderado de 10 a 20%, e o agressivo, cerca de 30%.


5. Ações
Com no mínimo 67% da sua carteira alocada em ações negociadas em Bolsa de Valores, estes fundos estão sujeitos às mudanças de preços dos ativos e contam com o potencial de valorização dos papéis na busca por rentabilidade. O risco para o investidor é alto, apoiado na volatilidade e inconstância do mercado acionário. Alguns fundos desta classe buscam seguir a oscilação na composição de um índice do mercado acionário, como o Ibovespa ou IBrX. São os chamados fundos passivos. Já os fundos ativos são aqueles em que o gestor toma decisões de investimento a partir de suas análises para a macroeconomia e para determinados setores e empresas.
Indicação: De uma forma geral, atraem investidores agressivos que querem aumentar a margem de lucro sem a urgência de um retorno imediato. Investir em fundos de ações significa aceitar riscos em troca da chance de aumentar o capital em um prazo maior. Não são indicados para quem precisará do dinheiro no curto prazo nem para investidores avessos ao risco.

6. Cambiais
Mantém no mínimo 80% do seu patrimônio em ativos atrelados, direta ou indiretamente, à variação de preços de uma moeda estrangeira ou à mudanças na taxa de juros (cupom cambial). Esses fundos não refletem apenas a cotação da moeda, pois taxa de administração e imposto de renda são tributos abatidos do patrimônio.
Indicação: São uma alternativa para investidores que buscam preservar o poder de compra do seu patrimônio na moeda estrangeira a longuíssimo prazo. Para viagens ao exterior, pode valer a pena simplesmente comprar dólares ao invés de investir em fundos cambiais. Isso porque as taxas de administração e IR ameaçam minar a rentabilidade do fundo. Com o dólar a 2 reais, por exemplo, o investidor precisaria de 6.000 reais para comprar 3.000 dólares. Caso optasse por aplicar o montante no fundo, o capital ficaria sujeito às variações cambiais. Se o dólar chegasse a 3 reais (aumento de 50%) e a carteira acompanhasse 100% da valorização, o investidor passaria a ter 9.000 reais. Contudo, sobre o retorno de 3.000 reais incidiria uma taxação de 15% de IR, o equivalente a 450 reais. A alíquota corresponde a um resgate feito após dois anos. Na prática, o sujeito teria agora 8.550 reais e seus 3.000 dólares iniciais teriam se transformado em 2.850 dólares.

7. Dívida Externa
Investem no mínimo 80% do seu patrimônio em títulos representativos da dívida externa de responsabilidade da União. O restante pode ser aplicado em outros títulos de crédito transacionados no exterior. A rentabilidade dos fundos de dívida externa é determinada por uma combinação entre a taxa de juros paga pelos ativos, o desempenho dos papéis no mercado internacional e a taxa de câmbio entre o dólar e o real.
Indicação: Caso o cliente queira ter títulos negociados fora da país em sua carteira, fundos de dívida externa podem render lucros a longo prazo. De qualquer forma, o investidor assume o risco de ver a rentabilidade afetada pelas variações do real frente ao dólar. Alguns bancos só oferecem esse tipo de fundos a pessoas jurídicas.

 

Existe algo que não conversamos que você gostaria de perguntar, algum tipo de dúvida? Tendo dúvida , não hesite em pedir  ou qualquer explicação.

Bem o canal está e sempre esteve aberto para você perguntar qualquer coisa sobre seus investimentos.

Tendo alguma dúvida, é só me falar.

Cordial Abraço,

Flávio Lemos, CFP, ANCORD, PQO

SIM, EU TENHO INTERESSE!

 

www.Investimentos.TraderBrasil.com

Telefone: (21) 2292-9729 |(11) 2386-4080

A marca Trader Brasil Investimentos é propriedade da Brasil Agente Autônomo de Investimentos EIRELI. Toda distribuição de valores mobiliários através da Trader Brasil Investimentos são executadas pela XP Investimentos CCTVM S/A, instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através da rede mundial de computadores está sujeita a interrupções, podendo invalidar ordens ou negociações. A Trader Brasil Investimentos atua apenas como distribuidor de ativos mobiliários e não participa da gestão e ou administração de nenhum dos produtos aqui divulgados de fundos, renda fixa e renda variável.

A Brasil Agente Autônomo de Investimentos EIRELI. é uma empresa de agentes autônomos de investimento devidamente registrada na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), na forma da Instrução Normativa nº 497/11.

A Brasil Agente Autônomo de Investimentos EIRELI atua no mercado financeiro através da XP Investimentos CCTVM S/A, o que pode ser verificado através do site da CVM (www.cvm.gov.br > Agentes Autônomos > Relação dos Agentes Autônomos contratados por uma Instituição Financeira > Corretoras > XP Investimentos) ou através do site da própria XP Investimentos CCTVM S/A (www.xpi.com.br > Encontre um escritórios de > Selecione abaixo o estado e a cidade que deseja pesquisar > Veja a lista dos agentes autônomos).

Na forma da legislação da CVM, o agente autônomo de investimento não pode administrar ou gerir o patrimônio de investidores. O agente autônomo é um intermediário e depende da autorização prévia do cliente para realizar operações no mercado financeiro.

Esta mensagem, incluindo os seus anexos, contém informações confidenciais destinadas a indivíduo e propósito específicos, sendo protegida por lei. Caso você não seja a pessoa a quem foi dirigida a mensagem, deve apagá-la. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes nesta mensagem. As informações contidas nesta mensagem e em seus anexos são de responsabilidade de seu autor, não representando necessariamente ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da Brasil Agente Autônomo de Investimentos EIRELI.

O investimento em ações é um investimento de risco e rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais.

Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos.

Para reclamações, favor contatar a Ouvidoria da XP Investimentos no telefone nº 0800-722-3710.

Summary
Como escolher um bom fundo de investimento adequado ao seu perfil?
Article Name
Como escolher um bom fundo de investimento adequado ao seu perfil?
Description
Como escolher um bom fundo de investimento adequado ao seu perfil?
Flávio Lemos
Trader Brasil
TRADER BRASIL
Publisher Logo